Jornalista Inês Marzano

Monday, April 11, 2016

Espetáculo

Grupo Galpão estreia “Nós”, em Belo Horizonte, com direção de Márcio Abreu

Galpão Cine Horto, 05/04/2016
Por Inês Marzano
Horto
De 16 de abril a 15 de maio, o Grupo Galpão fará temporada de estreia de seu novo trabalho na capital mineira, com direção de Marcio Abreu. As sessões acontecerão de quinta a sábado, às 21h, e domingo, às 19h, no Teatro Wanda Fernandes do Galpão Cine Horto (Rua Pitangui, 3413, Sagrada Família). Ingressos a R$40 e R$20 (meia entrada). Vendas pela internet no site www.sympla.com.br/galpaocinehorto, a partir do dia 7 de abril (quinta-feira), ou na bilheteria do teatro, duas horas antes do espetáculo, conforme coletiva de imprensa que  ocorreu nesta terça (05/04).

“NÓS somos nós, esse coletivo que caminha para seus 34 anos de existência e nós, seres humanos e artistas de teatro para lá dos cinquenta, com suas perplexidades, questões, angústias, algumas esperanças e muitos nós”, explica o ator Eduardo Moreira, sobre o que o público pode esperar do novo trabalho do Galpão. Em cena, Antonio Edson, Chico Pelúcio, Eduardo Moreira, Júlio Maciel, Lydia Del Picchia, Paulo André e Teuda Bara celebram a vida enquanto preparam a última sopa e debatem, sob um prisma político, questões do mundo contemporâneo – a intolerância, a violência, a diversidade, a convivência com a diferença.

Em cena, noções de proximidade e convivência. Proximidade entre ator e espectador, cena e plateia, ator e personagem, ser-social e ser-poético, realidade e ficção. Convivência entre diferenças, onde o outro dá a dimensão da nossa existência. Pontes entre teatro, performance, música e literatura. E, ainda, entre as dimensões do que é privado e o que é público, do que está dentro e do se apresenta fora. “Nós” propõe uma encenação que afirma a convivência com o público, no momento da apresentação, como elemento dramatúrgico, e ao mesmo tempo, sua presença, como ato criativo.

Para chegar nesse resultado, tudo começou em 2014, quando Marcio Abreu foi convidado para a direção de “NÓS”. Na época os atores se entregavam a exercícios solo, com o objetivo de contemplar desejos individuais e criar alternativas para um projeto coletivo. O diálogo e o confronto entre o coletivo e os anseios de cada artista se manifestavam de maneira urgente, num grupo de atores com mais de três décadas de convivência artística diária.

Assim que começaram os ensaios em agosto de 2015, o diretor foi indagado sobre que tipo de espetáculo vislumbrava construir em parceria com o Galpão. A resposta foi direta e precisa: “um trabalho político”. Segundo o artista carioca, responsável pela direção de produções recentes como “Krum”, realizado em 2015 com a companhia brasileira de teatro, o Galpão é um dos primeiros grupos de trabalho continuado, com patrocínio em longo prazo, planejamento, turnês internacionais e circulação por todo país. "Em tanto tempo de estrada, o Grupo criou um centro cultural, o Galpão Cine Horto, onde muita gente se forma e se recicla,  festivais acontecem, espetáculos de toda parte se apresentam, artistas se encontram, ideias são fomentadas na cidade de Belo Horizonte e pelo Brasil afora. Por tudo isso, assumiu uma dimensão política e hoje  pertence ao imaginário teatral brasileiro como uma referência”, diz Abreu. 

Esse desejo essencial norteou a elaboração de uma dramaturgia própria, criada a partir de improvisos, tomando como tema a reação do coletivo de atores diante das pressões exercidas pelo mundo sobre cada um deles. Durante o processo, foi experimentado o significado de estar dentro e ser colocado para fora e vice-versa. Situações intimamente conectadas à utopia de se conviver com as diferenças, sem que fossem emitidos juízos de valor. 

Os atores mergulharam ainda em diversas releituras de textos contemporâneos, como “Programa de Televisão” de Michel Vinaver e “Ódio à Democracia” de Jacques Rancière, entre outros. Marcio provocou questões que foram fundamentais para definir qual caminho seguir na estruturação do texto e da encenação: “o que podemos fazer juntos?” e “de que maneira respondemos ou reagimos ao mundo como ele nos chega hoje?”, perguntas às quais sempre recorria no decorrer dos ensaios.  Para o diretor, buscar uma abordagem política num trabalho de criação é pensar não só no que dizer, mas como dizer, e nesse sentido, a forma dos textos é tão fundamental quanto o conteúdo. "Assim podemos encontrar uma zona de diálogo mais intenso entre nós e entre nós e o mundo lá fora", comenta.

Conforme o o ator Eduardo Moreira a criação teatral seria um ato de pura incompletude, em que se faz necessário recomeçar sempre, mesmo que não se saiba como, nem por quê. "Obstinado como o próprio fazer teatral, ofício de que não desistimos nunca e continuamos em frente, mesmo que os tempos pareçam demasiado sombrios. Ato pelo qual esperamos sempre reafirmar que seguimos vivos, ato de reinvenção”, completa.

MARCIO ABREU
Dramaturgo, diretor e ator. Fundador e integrante da companhia brasileira de teatro, sediada em Curitiba. Desenvolve projetos de pesquisa e criação de dramaturgia própria, releitura de clássicos e encenação de autores contemporâneos inéditos no país. Realiza ações de intercâmbio com artistas do Brasil e da França. Entre seus trabalhos recentes estão Vida (2010), texto e direção, baseado em Paulo Leminski; Oxigênio (2010), do russo Ivan Viripaev, adaptação e direção; Isso te interessa? (2011), da francesa Noëlle Renaude, tradução, adaptação e direção; Enquanto estamos aqui (2012), dramaturgia e direção, solo de dança e teatro com a coreógrafa Marcia Rubin; Esta Criança (2012), do francês Joël Pommerat, direção, pareceria entre a companhia brasileira e Renata Sorrah. “Krum” (2015) também veio como fruto deste encontro com a atriz. Escreveu uma versão de Os três porquinhos para a Commedie Française, dirigida por Thomas Quillardet, com temporada de estreia em 2012, em Paris. Autor de A história do rock por Raphaelle Bouchard, que estreou em Limoges, na França, também em 2012, com a Compagnie Jakart Mugiscué. Recebeu inúmeros prêmios e indicações, entre eles o prêmio Bravo!, o prêmio Shell, o APCA, o prêmio Governador do Estado, no Paraná, o APTR e o Questão de Crítica. Foi escolhido pelo jornal Folha de São Paulo como personalidade teatral do ano, em 2012.

Fotos: Lúcia Marzano

Imagens

_dsc0520_c%c3%b3pia_dsc0538_c%c3%b3pia_dsc0522_c%c3%b3pia_dsc0530_c%c3%b3pia_dsc0531_c%c3%b3pia_dsc0533_c%c3%b3pia_dsc0535_c%c3%b3pia_dsc0537_c%c3%b3pia_dsc0541_c%c3%b3pia_dsc0542_c%c3%b3pia_dsc0544_c%c3%b3pia_dsc0546_c%c3%b3pia_dsc0549_c%c3%b3pia_dsc0551_c%c3%b3pia_dsc0552_c%c3%b3pia_dsc0555_c%c3%b3pia_dsc0559_c%c3%b3pia_dsc0565_c%c3%b3piaImage_1Image_2Image_4

Minas Trend

18ª edição do Minas Trend movimenta Belo Horizonte

Considerado como uma das principais plataformas de negócios de moda do país, esta edição conta com a participação de 219 expositores de diversos segmentos da moda.

Expominas BH, 06/04/2016
Por Luiza Miranda
Cedas
A criatividade e o glamour continuam presentes no Minas Trend, espantando dessa forma, a crise econômica que ronda o país. Nesta edição, que ocorreu entre os dias de 04 a 07 de abril, estiveram reunidos no Expominas lojistas dos segmentos de vestuário, calçados, bolsas, joias e bijuterias. Um dos objetivos do evento é incrementar as vendas da indústria de moda mineira e mostrar em primeira mão as tendências inovadoras, que se tornou um dos principais eventos de pré-lançamentos da moda brasileira.

O tema desta nova temporada, verão/2017, “Essência”, sintetiza a busca pelo essencial dentro da indústria de moda, reforçando a importância da identidade das marcas como diferencial e fator competitivo junto aos consumidores. Este conceito buscou referências na obra de Lewis Carroll, “Alice no País das Maravilhas” e a incessante busca da personagem por descobrir novos horizontes.

Dentre a programação dos desfiles foram apresentados os acessórios da marca Confraria, cujo tema resgatou os picnics de verão, utilizando também como matéria prima o junco em ricas tramas e tressês, em trabalhos hand made. A proprietária, Ana Paula Ávila, que participa do Minas Trend Business desde a primeira edição, a marca nasceu em Belo Horizonte e comemora dezoito anos. “Há dezesseis anos mudei para Brasília e vivo lá desde então, mas nada como celebrar o aniversário da Confraria nesta cidade, onde tudo começou. Neste lançamento pretendi fazer um resgate, assim coloquei na passarela a linha classic, que são modelos atemporais e estão presentes em todas as coleções. Fiz também a cesta de picnic, representando uma desaceleração, a fim de incentivar as pessoas a terem mais tempo uns com os outros e mais qualidade de vida”, concluiu Ana Paula.

Primando por peças confortáveis em tricô, o mineiro Lucas Magalhães mostrou na passarela sua coleção inspirada na artista Mary Heilmann, apresentando trajes em tricô, com detalhes em renda e couro. As formas geométricas tiveram como base os tons neutros, mas ganharam fortes pinceladas de cores vibrantes, numa composição harmoniosa e inusitada.

Finalizando os desfiles, a Viva estreou na passarela com uma coleção que remeteu aos 70’, com estampas de pinturas aquareladas de borboletas. A proprietária e estilista da Viva, Isabela Faria, comentou: “Nossa participação no Minas Trend se deve ao fato de relançar a Viva, sendo que o tema da coleção, Metamorfose, está ligado ao falto da transformação e amadurecimento da marca que é reconhecida no mercado, mas trilha novos caminhos. Embora a Vivaz e a Viva façam parte do mesmo grupo, são marcas distintas”.

Na área de vestuário, estreiaram Alexandre Dellela, Anna Maria Couture, Cajo por Carol Caetano, Cris Capoani, Fedra, Leticia Manzin, Moe Beachwear, Nammos, Pink Poa, Sonia Pinto, St. Trois e Refazenda.

No setor de joias e bijoux, participaram 409, &Stilo k&A, Ágapy Acessórios, Airam, Almir Cabochão, Bianca Bertolucci, CMC Semi JoiasDesign Ecológico Biojóias, Fabrizio Gianonne, SL Design, Gal Guerra Acessórios, Katia Costa Pinto, La Gaveta, Lecce Optica, Maria Ribeiro, Morena Canela, New Gold Semi Joias, Nino Bran, Prazeres Accioly, Simone Andrade Acessórios, Truc de Fou, Valentine Bijoux. Completa-se ainda na área de bolsas e calçados as marcas Paul Gerhard, Rosa Tolentino, Patrícia Henriques e Gabriela Fonseca.

No segundo dia aconteceram eventos paralelos na feira, entre eles a comemoração de lançamento da coleção Magdalena, primeiro nome da artista mexicana Frida Khalo, no stand da Infinita, onde a proprietária da grife, Mirian Lima recebeu a atriz global Laryssa Dias. 

Um coquetel prestigiado pelo mundo da moda, sob a batuta da jornalista Célia Pyramo, celebrou o lançamento da segunda edição da revista Circuito Moda Minas e fechou com chave de ouro os acontecimentos do dia!

Fotos: Adriana Pimenta

Imagens

Img_4158Img_4163Img_4172Img_4174Img_4178Img_4190Img_4180Img_4185Img_4206Img_4220Img_4245Img_4251Img_4265Img_4288Img_4299Img_4303Img_4312Img_4319Img_4326Img_4340Img_4364Img_4387Img_4389Img_4393Img_4402Img_4407Img_4409Img_4415Img_4420Img_4426Img_4429Img_4434Img_4437Img_4442Img_4445Img_4450Img_4454Img_4462Img_4473Img_4477Img_4480Img_4482Img_4488Img_4498Img_4505Img_4507Img_4508Img_4509Img_4512Img_4515Img_4518Img_4522Img_4232Img_4535Img_4539Img_4529Img_4547Img_4556Img_4561Img_4566Img_4567Img_4579Img_4584Img_4587Img_4523Img_4524Img_4525Img_4549Img_4550Img_4553Img_4595Img_4599Img_4601Img_4605Img_4610Img_4617Img_4628Img_4631Img_4636Img_4639Img_4642Img_4647Img_4653Img_4665Img_4671Img_4674Img_4678Img_4684Img_4687Img_4689Img_4707Img_4711Img_4717Img_4718Img_4723Img_4720Img_4724Img_4726Img_4732Img_4739Img_4747Img_4751Img_4760Img_4770Img_4773Img_4776Img_4778Img_4779Img_4782Img_4784Img_4790Img_4796Img_4798Img_4691Img_4694Img_4697Img_4698Img_4699Img_4700Img_4757

COMENTÁRIOS