Jornalista Inês Marzano

Wednesday, January 23, 2013

Aprender a desenhar



Dom e talento

 
22 de janeiro de 2013

Qual a diferença?

 


 


O assunto é polemico, uma vez que muitos alunos entendem que precisam ter algum componente genético para a pratica do desenho. Mas, este artigo mostrará que uma tendência ou um gosto especial,  por qualquer atividade, pode  sim ser desenvolvido.
Dom é um presente ou dadiva da criação  . É uma  palavra que vem do latim Donu. Uma capacidade especial  inata para desempenhar funções complexas para a  maioria das pessoas. Exemplo disso seria uma criança que aprende com desenvoltura algum trabalho pratico ou teórico,  manual ou intelectual.


Os gênios possuem dom ou dons, embora a genialidade ainda nao seja objetivamente explicada pela ciência. Porém, o dom não é condição suficiente para se caracterizar um gênio.
Ao citarmos Mozart, Michelangelo ou Ayrton Senna nao podemos ignorar a Dona Maria, que confecciona um bolo como ninguém. Entretanto, aqueles eram gênios e possuíam dons, já a Dona Maria tem apenas um dom.

 
E o que é talento?
Conforme o Aurelio, Talento ou vocação é também o nome que se dá a habilidades artísticas. Assim, afirma-se que tal pessoa tem talento para a música, ou talento culinário, ou talento para lidar com crianças, por exemplo.
A conotação de talento como habilidade humana tem a sua origem em uma escritura bíblica, no Capítulo 25 de Mateus, na qual Jesus Cristo contou uma parábola aos seus discípulos.
Segundo a parábola, algumas pessoas receberam valores diferentes de seu senhor, e sem que soubessem que isso iria acontecer, foram chamadas a prestar contas algum tempo depois.
As que receberam quantidades maiores de talentos, trabalharam com eles, gerando lucro. A que recebeu apenas um talento, com medo do rigor de seu senhor, preferiu enterrá-lo para entregar tal e qual lhe foi confiado, sendo severamente repreendida no dia da prestação de contas.
Segundo a parábola, mesmo os que recebem poucos talentos tem o dever de faze-los prosperar e produzir outros. Pois a parábola compara as riquezas entregues aos servos aos dons que Deus entrega aos seus filhos com a tarefa de fazer frutificar esses mesmos dons para o desenvolvimento do seu Reino.
Atualmente, usa-se o termo talento para designar habilidades inatas das pessoas, ou capacidade natural para realizar determinadas atividades.
Um outro significado do termo é a habilidade extraordinária que algumas pessoas tem  para realizar suas atividades diárias, ao ponto de merecerem honra especial.

Estudiosos afirmam que as habilidades consideradas inatas podem ser desenvolvidas caso haja motivação e com a aplicação de técnicas apropriadas. Assim, qualquer pessoa está, por exemplo, potencialmente apta a aprender desenho, desde que tenha VONTADE e use as técnicas apropriadas ao estudo.
Em minha experiência como professora de artes, chego a conclusão claramente, que qualquer pessoa pode desenvolver o talento do desenho ou aperfeiçoar o seu dom artístico.
Um aluno comprometido e dedicado com as aulas, dicas e técnicas, tem grandes chances de atingir a excelência da qualidade nos seus desenhos.
A disciplina, treino e perseverança na busca dos resultados são imprescindíveis. Temos os atletas como exemplo.

Isto só confirma a ideia de que “todo talento é 1% inspiração e 99% transpiração”.
E como ficam aqueles que tem dom, mas não tem talento? Abraham Shapiro diz que estes são um desperdício, nasceram com algo especial, mas não foram lapidados como deviam. E tem também os “desligados”, aqueles que, mesmo tendo tido boas chances, não se esforçaram para se desenvolver. Deles é que se diz: “Deus dá asas para quem não quer voar”.
Thomas Jefferson, um dos primeiros presidentes dos Estados Unidos, comentou com muita sabedoria: “Eu acredito muito na sorte. Quanto mais duro eu trabalho, mais sorte eu tenho”. Isto equivale a dizer que inspiração sem transpiração de nada vale.
 
Por Inês Marzano